Terça-feira, 9 de Março de 2004

Provas aferidas (II)

A Dr. Ana Benavente (AB) na Página da Educação de Março questiona o sentido das provas aferidas. Considera que o espírito que subjaz à sua criação foi, abusivamente, adulterado pelo actual governo, na justa medida em que transformou um elemento de regulação das escolas num instrumento de crítica indiscriminada.

Não resisto a tecer dois comentários à posição veiculada pela deputada do PS. Subscrevo o que disse quanto à deturpação do diploma da reorganização curricular (dec. lei 6/2001) pelo actual executivo que coarctou a margem ínfima de liberdade das escolas através de orientações relativas à Área de Projecto e ao Estudo Acompanhado.

Vejo, simultaneamente, uma grande contradição no discurso da ilustre deputada. Ao enfatizar a liberdade que o referido diploma conferiria às escolas, liberdade consubstanciada na pretensa flexibilidade do projecto curricular, AB deixou escapar o grande vazio desta proposta socialista: o espaço para as actividades educativas autodeterminadas. São as actividades com base na livre expressão da vontade dos alunos, atendendo aos recursos existentes na escola, que reúnem professores e alunos em grupos dedicados a actividades educativo-culturais determinadas pelos seus membros. O princípio pedagógico da autodeterminação educativa fornece uma orientação geral para apoiar o crescimento gradual da liberdade do educando. Enquanto que o princípio da heterodeterminação é de homogeneização, o da autodeterminação é a diferenciação e a individuação, enquanto aquele se ordena para a inteligência passiva, este ordena-se para a inteligência activa.

A Área de Projecto nunca veio a preencher o espaço de liberdade que está adstrito aos clubes escolares.

Percebo a dificuldade com que os responsáveis pela educação lidam com o problema da liberdade. A função socializadora da escola nunca foi equilibrada pela função personalizadora. Porquê? É um dos paradoxos que ninguém quer dilapidar.

Avanço com uma explicação: a instrumentalização da escola é um feudo que o poder instituído não abdicará espontaneamente. É que assim será mais fácil manipular o eleitor.

publicado por Miguel Pinto às 00:17
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De whiteball a 9 de Março de 2004 às 10:42
Só posso estar totalmente de acordo com o exposto! A sociabilização, a consciencializalização, o assumir de responsabilidades, o amadurecer espontaneamente...que lugar fica para tudo isso? Quem lucra com a falta de tudo isto?
Abraço
WB
De Joao a 9 de Março de 2004 às 02:51
Amigo concordo com o teu texto!Mas o problema já vem de trás. É uma querela importante porque subjaz às ideologias dos partidos e neste sentido foi sempre um ministério no caos.Todos os poderes que assumiram o mau governo da país até hoje só foram modificando os diplomas dos governos anteriores, dificultando tudo e todos.Depois quem é que paga? Os nossos educandos claro.Um Abração!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Outro Olhar... só no blog...

. Novo lugar.

. Exemplos que (nada) valem...

. (Des)ordem...

. Outros olhares... a mesma...

. E esta?

. O blogspot encalhou.

. Bolonha aqui tão perto.

. Olhar distante.

. Faz de conta.

.arquivos

. Julho 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds