Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2004

Para que servem as provas aferidas?

No Editorial do Público de 29 de Janeiro, Nuno Pacheco interroga-se acerca da relevância das provas de aferição numa óptica da melhoria do sistema educativo. O autor do texto questiona se “serão tais provas verdadeiramente úteis a uma verdadeira mudança” e lança um repto para o debate.

Aceito o desafio e atrevo-me a avançar com um explicação para este problema. Será o meu olhar sobre os desígnios de uma política que, na minha perspectiva, se interessa muito pouco pelos problemas dos alunos.

A reorganização curricular que vivemos não tem passado despercebida à opinião pública. Desde a sua fase de concepção (iniciada pelo anterior executivo) até hoje, temos assistido, perplexos, a sucessivos avanços e recuos do poder central, que traduzem, desde logo, a desconfiança dos próprios governantes nas virtudes deste desígnio.

A comunicação social vai entretendo a opinião pública com os casos que mais vendem: Os resultados das provas aferidas, a publicação dos resultados dos exames nacionais e a respectiva ordenação das escolas, as incríveis histórias que a qualidade dos manuais escolares suscitam, o processo de colocação dos professores nas escolas, etc. Estamos perante um fenómeno de clara manipulação da informação e o currículo escolar transformou-se num campo de batalha. Como sustenta Aplle (2003: 247) , “o conteúdo e a forma do currículo sempre foram questões políticas”. O debate sobre “Que saber tem mais valor?” adquiriu conotações políticas. O argumento ideológico dominante restaura as questões da disciplina, do “excesso” de liberdade dos alunos, dos “saberes” legítimos, isto é, os saberes que servem a economia competitiva.

Ora, não se trata de desvalorizar a economia na vida dos homens. Ela serve para resolver os problemas materiais das pessoas, serve para satisfazer um conjunto de necessidades básicas. Mas, como diz Patrício (1997: 71), “o homem não vive só de pão e acontece mesmo que o pão é instrumental relativamente a outros interesses, necessidades e valores do homem. O discurso da emergência da qualidade tem invadido o terreno educativo. Os ideólogos neoliberais e neoconservadores são hábeis na difusão das suas teses e já conquistaram a linguagem do senso comum que coloca a cultura num nível inferior à economia. Como se a economia não fizesse parte da cultura. A qualidade é um imperativo ético. A qualidade mínima da vida é o ponto onde os direitos humanos começam. A vontade de qualidade é universal. Se educar é modificar e adquirir novos modos de ser, para ser mais e melhor, o retorno à questão da qualidade educativa é crucial. “O âmbito da promoção da qualidade é um processo complexo” (Patrício, 1997: 65). É consensual que precisamos de alunos, pais, professores, escolas e de uma sociedade com mais qualidade. Um esforço que vise a promoção da qualidade olhará para uma sociedade de qualidade, um sistema educativo de qualidade, uma política educativa de qualidade, uma educação de qualidade, uma escola de qualidade, um professor de qualidade (Idem).

Mas o problema é que ainda subsiste a crença de que através da manipulação dos currículos produziremos as mudanças necessárias à promoção da qualidade. Atónito, tenho assistido a sucessivas orgias legislativas com resultados inócuos. Mas as Escolas estão na mesma. Com um funcionamento de regime duplo terá grandes dificuldades em servir os fins que a escola se propõe. Estaremos interessados em gerir criativamente os espaços e os tempos? Um esforço desta natureza transporta custos, riscos e resistências.

Olhar para a Escola através de uma lente direccionada para as necessidades do aluno poderia ser dramático para as correntes neoliberais. Imaginem o que seria se ruíssem os mitos que trespassam a opinião pública de que há professores a mais e que se gasta muito com a educação?

(Enviei este texto para o jornal O Público e aguardo a sua publicação).

publicado por Miguel Pinto às 10:22
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De MIGUEL SOUSA a 30 de Janeiro de 2004 às 01:43
caro amigo...está fantástico....mas mais dia menos dia, vamos ter que falar do (in)contributo dos pais para a educação/formação dos seus filhos/nossos alunos. aquele abraço

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Outro Olhar... só no blog...

. Novo lugar.

. Exemplos que (nada) valem...

. (Des)ordem...

. Outros olhares... a mesma...

. E esta?

. O blogspot encalhou.

. Bolonha aqui tão perto.

. Olhar distante.

. Faz de conta.

.arquivos

. Julho 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds