Sábado, 5 de Junho de 2004

O sentido humano.

No final do ano lectivo é tempo de balanço. Sem grandes arranjos linguísticos, há que detectar o que correu bem, mal e o que não correu. A actividade lectiva com os alunos do 12º ano será encerrada dentro de poucos dias, embora os alunos prolonguem a sua permanência na escola devido à realização dos exames nacionais.
Os últimos dias foram marcados por este processo avaliativo. Os alunos expressaram os seus pontos de vista em tudo, ou quase tudo, que tem a ver com a vida escolar. Desde a matéria programática (no 11º e 12º anos são os alunos que seleccionam os conteúdos a abordar ao longo do ano – bem a propósito da entrada anterior onde se tratava a questão da autonomia), às condições de realização das actividades, ao ambiente de trabalho, às questões afectivas, às expectativas frustradas, aos sonhos feitos e desfeitos (alguns deles ainda não deixaram de sonhar), passando pelos conflitos e a sua gestão, etc. Para além da discussão aberta, franca e partilhada por todos, peço um registo escrito que dê conta de algo marcante. Que mereça ser dito, que mereça ser ouvido. Acompanho estes alunos desde o 10º ano, 6 horas por semana, foram 3 anos de trabalho.
O E. é um aluno reservado, é.... transparente. Não encontro outra expressão que traduza o seu olhar. Não é um aluno “brilhante”, mas tem o brilho que falta a muitos desses alunos. Quer concluir o 12º ano e sonha continuar a estudar não obstante a dificuldade que tem em cumprir as exigências de cada área disciplinar. No 10º ano, alguns dos seus professores vaticinavam-lhe um curto futuro escolar. Alguns dirão que o “facilitismo” que graça no sistema educativo permitiu ao E. chegar ao 12º ano. Dizem que se aumentasse a “exigência” ele não passaria do 10º ano, porventura nem teria lá chegado. Mas chegou, chegou ao 10º ano e prepara-se para abandonar a escola, com o 12º ano concluído (como gostaria de ver a cara desses colegas que se atreveram a conjecturar sobre o seu futuro).
E. abeirou-se de mim, como os restantes colegas, entregou a sua reflexão e recebeu um aperto de mão.
aluno E.JPG
É o sentido humano que me encoraja e que me faz gostar do que faço.
publicado por Miguel Pinto às 12:40
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Outro Olhar... só no blog...

. Novo lugar.

. Exemplos que (nada) valem...

. (Des)ordem...

. Outros olhares... a mesma...

. E esta?

. O blogspot encalhou.

. Bolonha aqui tão perto.

. Olhar distante.

. Faz de conta.

.arquivos

. Julho 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds