Quinta-feira, 27 de Maio de 2004

Precariedade até quando?

Escrevia no post anterior que o próximo ano lectivo já começou. A minha corrida contra o tempo tem dias, talvez meses. Sabemos que as condições facilitadoras para a implementação dos projectos nas escolas avançam vagarosamente. E quanto mais se requerem soluções arrojadas maiores as resistências. Mas, as minhas lamúrias esvaziam-se de sentido quando me confronto com a precariedade do emprego. O sistema educativo é o paradigma do desperdício de recursos humanos. É a lógica de merceeiro que obriga a que os sucessivos governos lusitanos concebam a coisa educativa desprezando a estabilidade dos projectos educativos. Numa escola exclusivamente curricular, a gestão dos créditos horários é perversamente facilitada. Primeiro, entram as horas lectivas até preencherem os horários dos professores mais “antigos”. Depois, aparece a figura aberrante do horário zero. O resultado é a desvalorização profissional do professor. A intenção é transformar o professor numa espécie marginal e neste caso o zero é expressivo.
Precariedade até quando?
As escolas precisam de mais e melhores professores!
publicado por Miguel Pinto às 21:35
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Outro Olhar... só no blog...

. Novo lugar.

. Exemplos que (nada) valem...

. (Des)ordem...

. Outros olhares... a mesma...

. E esta?

. O blogspot encalhou.

. Bolonha aqui tão perto.

. Olhar distante.

. Faz de conta.

.arquivos

. Julho 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds