Terça-feira, 25 de Maio de 2004

A escola é acção.

Sem propostas inovadoras e medidas concretas é elevado o risco de ficarmos enlaçados numa retórica iníqua. O abandono escolar precoce não pode esperar pelas vagarosas decisões governamentais. Apresento uma proposta de um plano integrado no Desporto Escolar para lidar com a resiliência escolar. É que o próximo ano lectivo já começou. Resta esperar que o Conselho Executivo cumpra com a sua parte e o Centro de Área Educativa não estorve com quezílias administrativas.

Resiliência escolar é a capacidade do indivíduo ficar na Escola, apesar dum conjunto de características dos subsistemas (o próprio indivíduo; a família; a escola; o meio envolvente) que motivariam para o abandono escolar . Explica-se também pela interacção positiva que se estabelece entre os mesmos subsistemas, muitas vezes por intervenção externa de natureza preventiva. Sendo certo que o problema do abandono escolar é multifacetado, as iniciativas profilácticas serão sempre mais eficazes quanto maiores forem as sinergias desencadeadas. Reconhecemos a existência de inúmeros constrangimentos que limitam a acção das escolas nesta matéria. Um espartilho legal, reduzidas expectativas dos alunos e famílias, docentes desencorajados pela intensificação do trabalho, órgãos de gestão pressionados pela escassez do tempo relativamente ao ritmo das mudanças. Determinados pela vontade de colaborar, intervir e querer alterar as circunstâncias, o núcleo do desporto escolar avança com uma proposta que visa integrar os alunos na escola e apoiar o seu desenvolvimento integral. O desporto escolar apresenta-se como um instrumento para cumprir este grande desiderato que é a resiliência escolar. O desporto escolar é uma actividade livre. Os alunos acedem ao desporto escolar porque vêem nele algo de positivo. Nem sempre a oferta desportiva da escola encontra eco na mobilização dos alunos e nessas circunstâncias, caberá à escola (o desporto escolar é um projecto de escola) rever e reformular as suas propostas. Quando a adesão dos alunos é elevada não restará outra alternativa à escola. Há que procurar facultar as condições físicas e humanas para responder às necessidades de prática dos alunos e não ceder aos obstáculos de natureza administrativa. A assunção plena deste projecto pelo Conselho Executivo da escola é um pré-requisito para a viabilidade do mesmo. Será vantajoso o envolvimento e colaboração institucional do CAE de forma a avaliar a especificidade e o alcance da iniciativa e proceder a um reajustamento da creditação horária aos docentes que participam no projecto.

Será que este projecto encerra um dos significados de política educativa conquistada, construída e imposta por quem está nas escolas aos políticos e burocratas do ME?

publicado por Miguel Pinto às 18:07
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Outro Olhar... só no blog...

. Novo lugar.

. Exemplos que (nada) valem...

. (Des)ordem...

. Outros olhares... a mesma...

. E esta?

. O blogspot encalhou.

. Bolonha aqui tão perto.

. Olhar distante.

. Faz de conta.

.arquivos

. Julho 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds